Barroco – links, análise de texto e material para download

Olá, pessoas,

Deixa eu já organizar de agora boa parte da casa para vocês estudarem bem direitinho para a prova da próxima sexta-feira. Para isso vamos ter três coisinhas no post de hoje:

  1. Análise do poema de Gregório de Matos dedicado a um braço do Menino Jesus, um dos sonetos mais difíceis do Barroco brasileiro para quem está começando a leitura  deste tipo de poesia, e que caiu no vestibular seriado da UFPA, em 2007, questão reproduzida na ficha 12 (é a penúltima questão do material).
  2. Link para o download dos gabaritos e comentários das questões da ficha 12.
  3. Links para postagens anteriores do site que são as mais interessantes para esta primeira avaliação em que será cobrado o movimento.

Como diria minha amiga Carol Araújo: “Guerreou?“. Então senta que lá vem a história. Começando do começo, o melhor lugar para se começar. E o nosso começo é o poema do braço do Menino Jesus.

O todo sem a parte não é todo;
A parte sem o todo não é parte;
Mas se a parte o faz todo, sendo parte,
Não se diga que é parte, sendo todo.
 
Em todo o Sacramento está Deus todo,
E todo assiste inteiro em qualquer parte,
E feito em partes todo em toda a parte,
Em qualquer parte sempre fica todo.

O braço de Jesus não seja parte,
Pois feito Jesus em partes todo,
Assiste cada parte em sua parte.

Não se sabendo parte deste todo
Um braço que lhe acharam sendo parte,
Nos diz as partes todas deste todo.

Eu não sei quanto a vocês, mas na primeia vez em que eu li este soneto, a primeira coisa que eu pensei foi: “Que Detefon foi esse que esse cara cheirou antes de escrever isso?!!“. Eu não entendi nada com coisa nenhuma. É absolutamente normal não entender de primeira. Depois, quando a gente entende, fica parecendo aquela cena final quando Po entende a sacada do pergaminho do final de Kung Fu Panda. Você faz um “ah, tá!” e depois se pergunta “e era só isso mesmo”? É, era.

Mas vamos lá. Chega de conversa fiada. Neste texto, mais do que em qualquer outro, precisaremos aplicar o método de interpretação Jack, o Estripador: por partes. Descontada a referência infame da piada,  vou pedir que você pegue um material importantíssimo para o entendimento deste soneto: uma pizza.

Não tem pizza? Tá, eu te dou uma. Toma.

Hummm… Isso que dá eu postar sem jantar, tá vendo?

Ter uma pizza é importantíssimo para entender este soneto porque ele começa com um raciocínio matemático muito complexo de se entender lendo e muito fácil de se entender vendo.

O todo sem a parte não é todo;
A parte sem o todo não é parte;
Mas se a parte o faz todo, sendo parte,
Não se diga que é parte, sendo todo.

O todo sem a parte não é todo. Ok. Matematicamente, uma pizza como aquela ali, redondinha, borbulhante e calórica, é um todo, um inteiro. Se você tirar aquele pedaço delicioso que começa a ser retirado da pizza naquela foto, ela deixa de ser um inteiro. É bem óbvio né? Agora pegue só esse danado desse pedaço, o seu pedaço da pizza.

Servido?

Agora que você tem uma parte da pizza, sua, ela vira um novo inteiro matemático, pronta para ser alvo daquele pedido básico do “me dá um pedacinho!” daquele irmão/amigo/namorado/pai/mãe/gato/cachorro/papagaio/cunhado esfomeado que você tem. Por isso que A parte sem o todo não é parte.

Daí que se a parte é um todo quando ela está sozinha, o eu lírico do texto contesta: Não se diga que é parte, porque ela é um inteiro (todo).

É, a parte é um todo. Paradoxo, a gente vê por aqui.

Agora tá na hora de você me perguntar o que diabo isso tem a ver com o braço do Menino Jesus. E na hora de eu explicar: segundo os copistas, na referência da circunstância da produção deste poema, ele foi dedicado a um braço do Menino Jesus a quem inféis despedaçaram. Subentende-se que havia uma imagem de Jesus menino e alguém, que é mencionado como infiel, quebrou a estátua, e a única coisa que ficou inteira foi o tal do braço.

Aí é a hora de você perguntar porque alguém faria um poema sobre isso. E na hora de eu responder: pra se amostrar na Academia, oras. Como aqui no Brasil não tinha Academia literária nessa época, pra se amostrar em qualquer canto, pronto. Se faz isso pra mostrar como você é um grande poeta, fazendo uma obra complicadíssima sobre um assunto que em si é banal.

Agora vamos continuar. O poeta ainda não ligou a historinha da parte que não é parte, porque a parte é um todo, ao conteúdo religioso do seu poema. Ele começa a fazer isso no quarteto seguinte:

Em todo o Sacramento está Deus todo,
E todo assiste inteiro em qualquer parte,
E feito em partes todo em toda a parte,
Em qualquer parte sempre fica todo.

Neste quarteto, retomam-se três importantes dogmas do catolicismo: o dogma da perfeição divina, o dogma da onipresença de Deus e o dogma da Santíssima Trindade. Para os católicos (e todos os cristãos, enfim), Deus é inteiro e perfeito, está presente em todos os lugares e se manifesta através de três personas, que são como “partes” (olha que isso é importante) suas: Pai, Filho e Espírito Santo. Por isso em todo sacramento, ou seja, em toda ação religiosa sagrada, está Deus todo (por inteiro) e ele todo (por completo, com perfeição) assiste (está) inteiro em qualquer parte (qualquer lugar). Como Deus todo é feito em partes (Pai, Filho e Espírito Santo) em toda parte (todos os lugares), em cada parte (aqui a palavra é empregada com toda ambiguidade: em todos os lugares e em todas as partes de Deus) sempre fica todo (inteiro, perfeito).

Tá, o fim foi complexo, então vamos de novo.

E feito em partes todo em toda a parte, → Sendo Deus todo feito em partes (da Santíssima Trindade) em todos os lugares
Em qualquer parte sempre fica todo. → Em qualquer lugar do mundo Deus sempre fica inteiro (porque ele é onipresente e está em todas as partes ao mesmo tempo) & Em qualquer das suas partes (Pai, Filho, Espírito Santo) Deus permanece inteiro (porque a parte sozinha é um todo, matematicamente, e porque Deus é perfeito então cada parte sua é ele inteiro também).

Agora vamos lá. Temos que dar um desconto. Essa última viagem não é culpa do poeta não. O dogma é esse, fazer o quê?! A crença religiosa é justamente essa: a parte de Deus é o mesmo que Deus inteiro. É por isso que pedir a benção do Espírito Santo, a proteção do Pai, no fim das contas, é tudo a mesma coisa: porque o Espírito Santo, o Pai e o Filho são Deus (todos juntos e também cada um separadamente).

Que o Senhor me perdoe a heresia, mas nessa hora eu só consigo pensar naqueles bonequinhos de fantoche que se vendia quando eu era bem pirralha, com a Chapeuzinho Vermelho, a Vovó e o Lobo Mau. Era um boneco só, que você virava do avesso pra um lado e pra o outro e ora a cara era da Chapeuzinho, ora era a da Vovó e ora era a do Lobo.

Acho que depois dessa eu vou ter que ir me confessar com Frei Evilásio. ¬¬

Voltando… Deu para entender as premissas argumentativas do texto né? Antes de falar do braço do Menino Jesus, única parte que sobrou da imagem, o eu lírico faz questão de deixar bem amarrada a ideia de que uma parte é um todo perfeito. Com isso feito ele pode comprovar o que pensa sobre o bracinho que sobrou da imagem.

O braço de Jesus não seja parte,
Pois feito Jesus em partes todo,
Assiste cada parte em sua parte.

Não se sabendo parte deste todo
Um braço que lhe acharam sendo parte,
Nos diz as partes todas deste todo.

O braço de Jesus tem que ser considerado um inteiro e não uma parte porque, mesmo sendo a imagem de Jesus feita em partes (cante comigo: cabeça, ombro, joelho e pé…), cada uma pertencendo ao seu lugar (cabeça em cima do pescoço, braços presos nos ombros), se o braço que foi encontrado não se sabe parte (já que não havia o resto da imagem), do mesmo jeito que o pedaço da pizza, ele vira um inteiro. Este inteiro diz todas as partes do outro inteiro (a imagem toda), o que significa dizer que o valor espiritual representado por este braço é o mesmo que o da imagem completa, como o valor de Deus representado no Filho (um parte da Santíssima Trindade) é o valor de Deus inteiro.

Ufa!

Há quem diga que esse texto é uma grande tiração de sarro de Gregório de Matos em relação aos extremismos religiosos e à idolatria (condenada pelos reformistas). Esta leitura, no entanto, não é um consenso, ok? A versão mais aceita, que você vai adotar num vestibular, é a de que com esse poema ele tenta valorizar a imagem de Jesus que foi quebrada.

Para quem está se perguntando se o poema é cultista ou conceptista: os dois. O raciocínio & a forma são igualmente privilegiados no texto.

Bom, agora vamos ao jogo rápido. Por partes, de novo.😉

  • Clique aqui para baixar no 4shared os gabaritos e comentários da ficha 12.

Agora a lista dos links para posts antigos que são interessantes para seu estudo para a parcial. Vamos lá:

  • Aqui você vai encontrar um post sobre o Barroco como uma expressão artística da dúvida diante das coisas contrárias. O post vai analisar o uso da antítese e do paradoxo como recursos para a expressão desta dúvida.
  • Aqui e aqui você vai encontrar dois posts sobre Pe. Antônio Vieira. Um deles analisa o sermão mais importante de Vieira, o sermão da Sexagésima e o outro compara a produção de Vieira com a produção de Gregório de Matos. Como o poeta não vai ser abordado de maneira específica, sugiro que no caso deste post você vá direto para a análise de Vieira.
  • Este post aqui é sobre o contexto histórico e as características gerais do movimento barroco. Aqui e aqui,  dois posts sobre o pessimismo e o Barroco, um com a análise da animação Pequeno Filme Barroco e o outro, bem curtinho, sobre a temática do desengano.
  • Neste outro post  aqui você encontra uma análise de como as discussões feitas pela literatura barroca e as marcas estilísticas do movimento ainda são muito atuais. Na análise comparativa tem um texto do Reinaldo Azevedo, uma música de Caetano Veloso e mais.
  • Por fim, um dos posts mais acessados do site nos últimos tempos, aqui. Nele você encontra análise de textos diversos.

E antes de eu ir jantar (agora fiquei com vontade de pizza) e tentar ver algo que tenha sobrado de House pra mim hoje: a quem interessar possa, um link para um material interessante sobre antítese, paradoxo e oxímoro, do site Recanto das Letras. Clique aqui.

Beijos e bons estudos!

One thought on “Barroco – links, análise de texto e material para download

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s